Uma das principais cobranças que equipes de TI enfrentam é sobre o seu grau de produtividade. O gestor de TI deve estar preparado para sempre definir uma estratégia eficaz, a fim de melhorar a rotina do setor e os indicadores adotados para avaliar a quantidade de problemas enfrentados no dia a dia.

Vale destacar, também, que a equipe de TI deve ser administrada em busca de uma redução constante na taxa de erros operacionais. Eles são os principais responsáveis por problemas de médio e longo prazo.

Quer saber quais são os mais comuns? Então veja a nossa lista abaixo!

1. Não investir em outsourcing

A terceirização já faz parte das estratégias de várias empresas. Ela é utilizada como uma abordagem administrativa que reduz custos, aumenta a capacidade de definição dos processos operacionais e melhora o direcionamento de tarefas.

No ambiente de tecnologia, o outsourcing pode ser utilizado para aumentar a capacidade da equipe de TI em projetos ou permitir que profissionais internos atuem em processos críticos. Como consequência, a capacidade do setor para atender às demandas será ampliada, ao mesmo tempo em que o gestor de TI conseguirá definir um fluxo de trabalho mais ágil e seguro.

2. Não utilizar dashboard

dashboard é uma espécie de painel que auxilia o gestor a avaliar os indicadores de TI de todo o setor e, assim, identificar problemas nos processos de gestão. Ele deve ser abrangente, contendo dados sobre todas as rotinas, métricas e objetivos de médio e longo prazos. Assim, o gestor de TI poderá rastrear rapidamente os principais problemas existentes e definir melhorias precisas.

3. Utilizar métricas ineficazes

As métricas são uma das principais formas de avaliação da performance de profissionais de TI. Para que o seu uso seja feito da melhor forma possível, gestores devem definir um conjunto de indicadores de acordo com o perfil da equipe de TI, implementando-os de tal forma que seja possível avaliar corretamente a performance do time de profissionais que atua na área sem comprometer o seu trabalho.

Assim, melhorias serão aplicadas de acordo com a realidade do setor e não com base em objetivos impossíveis de serem alcançados. 

4. Não adotar as ferramentas corretas para o perfil da empresa

Um dos pontos cruciais de qualquer estratégia de TI é a definição das ferramentas que serão utilizadas no dia a dia pelos técnicos e analistas da equipe de TI. Para que o trabalho seja executado sempre da melhor forma possível, o gestor deve implementar soluções que sejam adequadas para as necessidades e os problemas enfrentados na rotina operacional do setor.

Nesse sentido, podemos destacar entre as principais soluções que podem ser empregadas para melhorar o nível de produtividade da área:

  • Ferramentas de monitoramento de infraestrutura.
  • Scripts e softwares de automação operacional.
  • Soluções de cloud computing.
  • Ferramentas de comunicação e gestão integrada.

Juntas, essas soluções podem tornar o fluxo de trabalho mais ágil e seguro. O número de gargalos operacionais será reduzido gradativamente, assim como a frequência dos erros. Consequentemente, técnicos conseguirão atender às demandas de usuários, melhorando a qualidade do serviço prestado pela equipe de TI.

5. Esquecer o workflow

O fluxo de trabalho de qualquer setor deve ser definido de acordo com os principais objetivos do setor, de médio e longo prazos. Cabe ao gestor de TI garantir que a equipe tenha processos bem definidos, com baixo índice de falhas e de pontos que possam levar à criação de gargalos operacionais. Possuindo um workflow bem estruturado, profissionais poderão atender demandas com agilidade e segurança.

O workflow deve ser otimizado constantemente, garantindo que toda a equipe de TI atuará da melhor forma possível. Quer saber como isso pode ser feito? Então baixe já o nosso e-book com dicas para otimizar o workflow da sua empresa!